Empresas paulistas ganham espaço no mercado de petróleo e gás natural - CIESP

Empresas paulistas ganham espaço no mercado de petróleo e gás natural

Texto: Rubens Toledo

Os bons resultados obtidos no Programa de Mobilização da Indústria Paulista para o setor de Petróleo e Gás Natural, executado em parceria com Petrobras e o Prominp, abrem excelentes perspectivas para empresas associadas ao Ciesp.

O balanço dos workshops realizados em junho passado em dez regiões do Estado, começando pela Capital, mostra que, até o início de julho, 450 novas empresas passaram a fazer parte do Cadastro de Oportunidades do Prominp.








Foto: Vitor Salgado


Julio Diaz, diretor de Infraestrutura

No cadastro corporativo da Petrobras, os efeitos também são visíveis. “Desde que foi iniciada a ação de parceria, foram aprovadas e qualificadas tecnicamente 1.670 empresas no Estado de São Paulo”, assinala Ernani Turazzi, gerente de Cadastro de Bens e Serviços da estatal.

O objetivo da Petrobras nesse esforço é claro. “Ampliar o índice de conteúdo local (empresas nacionais) no rol de bens e serviços da companhia — atualmente em 76% — é uma questão estratégica”, completa Turazzi.

“Bom para a Petrobras, melhor ainda para as empresas associadas”, afirma Julio Diaz, diretor de Infraestrutura do Ciesp. “Além de cumprir sua missão primeira, que é garantir competitividade à indústria, o Ciesp abre um novo nicho de mercado em franca expansão, que é o setor de petróleo e gás”, completa Diaz.

Parceria ganha reforço da CNI
Esses resultados atraíram a atenção da Confederação Nacional da Indústria (CNI), que já oficializou sua participação nas próximas ações de mobilização. Em recente reunião no Rio de Janeiro, com representantes da CNI, foram dados os primeiros passos para uma parceria em nível nacional, envolvendo outras federações de Indústria e entidades da indústria naval e offshore.

Em ação semelhante, o Departamento de Tecnologia do Ciesp (Detec) e a Fiesp participam em Campinas, na Unicamp, no dia 5 de agosto, da assinatura de um protocolo de intenções com a Agência Paulista de Promoção de Investimento e Competitividade (Investe São Paulo) e Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), entidade que congrega nove grandes operadoras internacionais do setor petrolífero.

A exemplo da parceria com o Prominp, a Onip também está interessada em divulgar seu cadastro de fornecedores (CadFor) para as empresas paulistas.

Outro trunfo importante na parceria é a publicação, pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), dos primeiros editais para projetos específicos para a exploração do pré-sal, num total de R$ 130 milhões, fruto do esforço conjunto do Ciesp e o Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec), da Fiesp. O prazo foi prorrogado e as empresas têm até 16 de agosto para encaminhar formulário específico (leia mais).

Mão de obra
A busca por fornecedores de bens e serviços inclui outro insumo importante, talvez o mais precioso na produção – o capital humano. Por isso o Prominp está validando um novo ciclo de capacitação profissional, que deverá capacitar mais 207 mil profissionais até 2013. Só no Maranhão, serão qualificados mais de 40 mil trabalhadores, por conta da nova refinaria que a estatal está construindo naquele estado.

Nos níveis superiores de qualificação, a escassez por profissionais é gritante, e o Brasil já vem sofrendo forte concorrência estrangeira, conforme alerta o relatório “Trabalhadores Estrangeiros e Qualificação Profissional”, publicado pela Coordenação Geral de Imigração (CGI) do Ministério do Trabalho.

O documento faz alusão específica ao setor de petróleo e gás, responsável pela vinda, do exterior, de equipamentos sofisticados, como navios-sonda para coleta de dados geofísicos e unidades de perfuração. ■