Indústria de SP contrata 2,5 mil em janeiro e fica abaixo da média esperada para o mês

Para a Fiesp, resultado “não pode ser considerado um bom número”

Apesar de ser positivo, o resultado de contratações pela indústria paulista em janeiro é “fraco” e ainda não sugere um início de recuperação do setor manufatureiro, afirma o gerente do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos (Depecon) da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Guilherme Moreira.

Segundo ele, o nível de contratações ficou abaixo da média histórica considerada para janeiro, ocasião em que é comum serem abertas cerca de quatro mil vagas.  Em janeiro de 2014, por exemplo, a indústria contratou ao menos 6,5 mil funcionários.

Na leitura mensal com ajuste sazonal, o setor manufatureiro paulista encerrou o mês negativo em 0,38%. Os resultados são da pesquisa de Nível de Emprego da Fiesp e do Ciesp, divulgada nesta quinta-feira (12/2).

“Precisaríamos de um 2015 com fortes contratações para compensar as demissões de 2014. Janeiro é o primeiro mês ainda, é cedo para fazer qualquer projeção, mas é um número fraco”, afirmou Moreira.

Para ele, a combinação entre um desempenho ruim da indústria em 2014 e a falta de perspectivas positivas para 2015 gera incertezas e derrubam a confiança do empresário em relação à uma possível recuperação.

“A previsão do tempo não é boa para os próximos meses. Quando olhamos para 2015, o empresário tem um leque de más notícias que afetam o planejamento dele”, diz.

Algumas das más notícias são os juros elevados, a crise hídrica e energética, o consequente aumento dos custos e o potencial aumento da carga tributária.

Emprego em SP

Dos 22 setores avaliados pela pesquisa, 13 informaram contratações, seis anotaram demissões e três ficaram estáveis.  A indústria de produtos de borracha e de material plástico contratou 1.960 novos funcionários.  Seguida pelo setor de preparação de couros e fabricação de artefatos de couro, artigos para viagem e calçados, com 1.105 admissões.

Já a indústria de confecção de artigos de vestuário e acessórios se destacou no campo das demissões do mês com o fechamento de 1.152 postos de trabalho.  Enquanto o segmento de produtos de minerais não metálicos demitiu 988 funcionários.

O setor de açúcar e álcool fechou 353 vagas no primeiro mês do ano, o equivalente a uma queda de 0,01%.

 Regiões

A Pesquisa de Emprego da Fiesp e do Ciesp avalia 36 regiões de São Paulo. No levantamento de janeiro, 15 registraram contratações, outras 15 informaram fechamento de vagas e seis ficaram estáveis.

Entre os comportamentos de alta, a região de Araçatuba subiu 2,61% no emprego, influenciada pelos setores de produtos alimentícios (3,79%) e de artefatos de couro e calçados (4,35%).  Sertãozinho também contratou no mês passado e avançou 1,56%, estimulado pelos segmentos de máquinas e equipamentos (7,04%) e de produtos alimentícios (0,64%).

A indústria de Botucatu registrou alta de 1,1%, com contratações nos setores de produtos alimentícios (2,33%) e de confecção de artigos do vestuário e acessórios (7,49%).

No campo das demissões, a região de Santa Bárbara d´Oeste registrou queda de 3,34%, influenciada por fortes perdas na indústria de produtos alimentícios (-37,76%) e demissões no setor de produtos têxteis (-1,05%).  São Carlos também se destacou com declínio de 2,57%, em meio ao fechamento de vagas nos segmentos de produto de metal, exceto máquinas e equipamentos (-4,76%) e de máquinas e equipamentos (-2,58%).

Limeira fechou janeiro em baixa de 2,07%, abatida por demissões nos setores de produtos de minerais não-metálicos (-23,68%) e de veículos automotores

Alice Assunção, Agência Ciesp de Notícias

Comente