Inicio do conteudo

Acelera Startup anuncia vencedores e estende metodologia às regionais do Ciesp

De 1200 empreendedores que participaram do evento, foram três ganhadores nas categorias Água, Energia e Segurança

Amanda Viana, Agência Ciesp de Notícias

Foram anunciados nesta quinta-feira (176/) os vencedores da 6ª edição do  Acelera Startup, concurso organizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pelo Comitê Acelera Fiesp (CAF) da entidade. Neste ano, o Acelera Startup foi segmentado em três categorias: Água, Energia e Segurança, e teve a participação de cerca de 1200 empreendedores.

Sylvio Gomide, diretor titular do CAF, comentou que a inscrição para o concurso já não é simples desde o começo, com a intenção de selecionar os melhores disputadores. “Não adianta ter apenas uma ideia, esse não é o público para estar conosco. Para estar aqui tem que correr atrás, assim como vocês fizeram”, explicou Gomide.

A pedido do presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, o diretor adiantou que as próximas edições do Acelera serão estendidas para regiões no interior, com o apoio do Núcleo dos Jovens Empreendedores (NJE). “Temos mais de 10 estados que participam do evento, mas queremos dar uma atenção especial às regionais do Ciesp. Vamos ampliar o acesso para o Acelera, com mais visibilidade de parceiros, levando a mesma metodologia para essas cidades”, disse Gomide.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1581919111

Vencedores do Acelera Startup 2015. Foto: Everton Amaro/Fiesp

Vencedores

Vencedor na categoria Energia, Paulo Morais, da empresa Somatec Blocking: Retentores Eletromagnéticos, agradeceu pela paciência de cada investidor e pelo amplo aprendizado do concurso. “O sucesso do evento está dentro da grandeza da casa, dessa iniciativa e de todos os que participaram. Por isso é uma honra representar essa geração de empreendedores como essa”, disse Morais.

Na categoria Segurança, Leonardo Mendes Nogueira, da Altave, foi o vencedor. “São quatro anos de suor nesse projeto que acreditamos muito. Queremos ser uma empresa nacional, mas com sucesso internacional, para colocar a marca made in Brazil lá fora”, afirmou.

Para Sylvio Gomide, a categoria Água é de interesse geral, devido às dificuldades que o estado tem enfrentado nos últimos meses, e projetos inovadores no setor são de extrema importância. O vencedor nessa categoria foi Ricardo Azevedo, da empresa Ectas, agradeceu a premiação. “Eu entrei no empreendedorismo porque quero um país melhor e, por isso, vamos em frente com esses projetos”.

Conheça as iniciativas

Energia  - Somatec Blocking

O retentor eletromagnético Somatec Blocking é uma tecnologia nacional que garante a redução do consumo de energia através de adequação de Harmônicos a níveis não interferentes, eliminação dos Ruídos parasitários, eliminação dos efeitos das elevações de tensão e eliminação dos efeitos das descargas atmosféricas. Além da redução do consumo de energia, a ampliação da vida útil dos equipamentos elétricos e eletrônicos, redução nas paradas de produção e a diminuição dos custos de manutenção têm convencido grandes empresas a aderirem a essa tecnologia.

Água – Ectas 

A Ectas tem projetos em reúso de água, com estações ultra-compactas de alta-performance para tratamento de água, água de chuva e esgoto para residências e pequenos negócios, modulares, com baixo custo de instalação e operação, possibilitando reúso.

Segurança – Altave

A empresa desenvolve tecnologias aeronáuticas, em especial plataformas mais leves do que ar. Em 2012 a empresa lançou o Altave Horizonte, balão cativo para videomonitoramento e o Altave Cob, focado em telecomunicações. Depois de testes com o Batalhão de Operações Especiais (Bope)  e com o  Exército no Rio de Janeiro,  São Paulo, Pernambuco e Minas Gerais, a Altave foi selecionada para oferecer seu mais novo modelo – Altave Omni – para a segurança das Olimpíadas 2016, no Rio, superando soluções estrangeiras.

Formalização

Membro do CAF da Fiesp, Marcos Lorençani, informou que 50% de todos os inscritos no Acelera Startup possuíam CNPJ e os outros 49%, não, o que mostra que o número de formalização das startups aumentou nos últimos anos.

“Antes, o percentual era bem mais baixo. Isso nos deixa feliz”, comentou.