Inicio do conteudo

Terceirização não barateia custo, mas busca especialização, afirma Paulo Skaf

Presidente do Ciesp e da Fiesp se reuniu com empresários em São Carlos, interior de São Paulo

Nenhuma empresa tem vocação para tudo e precisa recorrer a serviços especializados por meio da terceirização, afirmou nesta quarta-feira (29/4) o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, antes de se reunir com empresários no interior do estado.

“Na verdade, a terceirização não barateia, custa igual ou mais caro. Mas ela busca a solução da especialização”, disse Skaf a jornalistas antes do encontro na sede do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp) de São Carlos.

Skaf voltou a afirmar que o projeto de lei 4330, que regulamenta a contratação de serviços terceirizados para todas as atividades profissionais, preserva os direitos do trabalhador.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1573964361

Paulo Skaf em encontro com empresários no Ciesp de São Carlos. Foto: Everton Amaro/Fiesp

“A terceirização não mexe com nenhum direito dos trabalhadores. No Brasil só tem uma CLT, então estar registrado numa prestadora de serviço, indústria ou comercio pela CLT é tudo a mesma coisa, tem direito a férias, décimo terceiro salário, fundo de garantia”, afirmou.

Desoneração da folha

Questionado sobre as dificuldades de retomada de crescimento por parte da indústria, Skaf reiterou que a desaceleração do setor está diretamente ligada a crise econômica e política do país.

“O problema da indústria é falta de competitividade, que está ligada também à desoneração da folha de pagamento, que o governo fez para aumentar a competitividade das empresas brasileiras e agora quer recuar. Isso tem influência” .

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp