Inicio do conteudo

Projeto Beleza Negra abre inscrições para 2ª turma de 2021 

Curso voltado para a capacitação em gestão de profissionais que desejam empreender no setor é online e gratuito 

Mayara Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Durante live realizada nesta quinta-feira (4/10), foi lançada a 2ª turma de 2021 do Projeto Beleza Negra, programa voltado ao desenvolvimento econômico da comunidade negra, à valorização da beleza afro e ao fomento do uso de produtos da indústria de beleza e higiene nacional. O projeto, que já formou cerca de 120 profissionais, é destinado a pessoas que atuam no segmento de beleza ou desejam empreender nesse setor e buscam capacitação em gestão. 

O lançamento reuniu profissionais com vasta experiência no campo de responsabilidade social, como o secretário-executivo do Centro de Equidade Racial, Ivan Lima, a gestora estadual do setor de Beleza, Saúde e Bem-estar do Sebrae-SP, Maisa Deorato, o  presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), João Carlos Basilio da Silva, e a vice-presidente do Conselho Superior de Responsabilidade Social da Fiesp e à frente do Comitê de Responsabilidade Social (Cores), também da Fiesp, e do Núcleo de Responsabilidade Social (NRS) do Ciesp, Grácia Fragalá. 

A especialista da Fiesp alertou que tem havido um movimento de expansão da diversidade dentro das organizações, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido. Por isso, a indústria tem se engajado cada vez mais na pauta de inclusão. 

“Estudos mostram que situações complexas precisam de várias competências para que sejam resolvidas”, afirmou Fragalá. “Quando você tem na empresa uma equipe múltipla e diversa, essas soluções aparecem graças à criatividade e às múltiplas experiências de vida, e isso é bom para os negócios”, acrescentou.  

Para Jorgete Lemos, consultora e membro do Cores, o Projeto Beleza Negra se consolida como ação afirmativa, à medida que atende aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas (ONU), em seus pilares n. 4 (educação de qualidade), n. 8 (trabalho decente e crescimento econômico) e n. 10 (redução das desigualdades), e contribui para a inclusão e a qualificação da população negra e parda, que corresponde a 57% da população economicamente ativa brasileira. 

“Com ações como esta, buscamos eliminar desigualdades sociais que geram desigualdade econômicas”, disse Lemos. “Nossa expectativa é que, em breve, esse projeto possa se estender a qualquer pessoa, independentemente da etnia, e que desigualdades entre negros e não negros se torne algo do passado, que não vai nos assombrar mais”, sublinhou a consultora. 

Imagem relacionada a matéria - Id: 1638787932

Fotos: Ayrton Vignola/Fiesp

Capacitação e indústria 

De acordo com pesquisas apontadas por Maisa Deorato, é entre os microempreendedores individuais (MEIs) que ocorre a maior incidência de encerramento de empreendimentos. Os MEIs são os que mais encontram facilidades para abrir uma empresa, mas também são os que mais fecham negócios, inclusive no segmento de beleza.  

“São empresários que têm um olhar muito voltado para a área técnica, mas que entendem pouco de gestão”, advertiu a representante do Sebrae- SP. É por esse motivo que, segundo ela, além de buscar referências da comunidade negra em todo o material didático, o curso Beleza Negra tem o cuidado de ensinar gestão de empreendimentos. “É importante que, além de buscarem especialização na área técnica dos procedimentos, estes profissionais entendam sobre gestão e trabalhem esse lado gerencial do empreendimento”, aconselhou. 

Quem também se beneficia com a qualificação dos profissionais é a indústria. O setor de beleza, especificamente, contava com 2 milhões e 325 mil trabalhadores em 2019. Com o abalo provocado pela pandemia de Covid-19, esse número caiu para 1 milhão e 900 mil, mesmo patamar registrado em 2016. Gestão nunca foi tão importante como neste momento de retomada. 

“Entendemos a importância do projeto Beleza Negra para a indústria de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos”, disse João Carlos Basilio da Silva. “Ele vai contribuir para a recuperação dos estabelecimentos que foram prejudicados, para a capacitação desses profissionais e para o desenvolvimento e engrandecimento do nosso país”, argumentou.  

Como fazer sua inscrição 

As inscrições para a segunda turma de 2021 do Projeto Beleza Negra são gratuitas e terminam em 21/11, às 23h. Para garantir sua vaga, acesse este link 

As aulas serão on-line acontecerão entre 22 e 24 de novembro, das 19h às 21h. Representantes do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Fiesp, membros da ABHIPEC, e especialistas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) ensinarão Empreendedorismo, Tendências de Beleza e Inteligência Emocional nos Negócios, entre outros temas relacionados ao desenvolvimento e à disseminação da cultura empreendedora para afrodescendentes.