Inicio do conteudo

Presidente do Inmetro apresenta ações da entidade e ouve demandas da indústria paulista

Uma das atribuições do Inmetro é dar suporte ao mercado, atestando a credibilidade, confiança nos produtos e garantindo o desenvolvimento e apoio ao setor produtivo

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp

A medição é o primeiro passo para o controle e melhoramento de itens e metodologias, sendo indispensável tanto para quem fabrica quanto para o consumidor. Para falar sobre a importância da melhoria contínua por meio da acreditação do produto e do processo produtivo, a Fiesp realizou, na última quarta-feira (7/10), um encontro que contou com a participação do presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Marcos Heleno Guerson de Oliveira Júnior.

O presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, abriu o encontro e agradeceu o comprometimento do presidente Marcos Heleno com o desenvolvimento da indústria brasileira. Ele reforçou que na 4ª revolução industrial a realidade muda rapidamente. “É importante quebrar paradigmas no que diz respeito aos prazos para a modernização dos processos. Os desafios são diários para as empresas. O Inmetro tem a função de apoiar a indústria brasileira no seu processo de aperfeiçoamento”, afirmou.

O Inmetro dá suporte de funcionamento ao mercado, atestando a credibilidade e confiança nos produtos e, ainda, garantindo o desenvolvimento e apoio ao setor produtivo. A autarquia é responsável por executar as políticas nacionais de metrologia e qualidade. Também cabe ao órgão verificar e fiscalizar o respeito às normas técnicas e legais, unidades de medida, métodos de medição, medidas materializadas, instrumentos de medição e produtos pré-medidos.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603432894

O presidente do Inmetro, Marcos Heleno, frisou o apoio da entidade ao setor produtivo e que o conhecimento moderno nasce da metodologia. Fotos: Karin Kahn/Fiesp

“Se você não consegue medir, não é capaz de fazer ciência. O conhecimento moderno nasce da metodologia”, sentenciou Marcos Heleno. Ele explicou o escopo da entidade a qual preside. Afirmou que o Inmetro foi criado para apoiar o setor produtivo brasileiro para que ele possa ser cada vez mais competitivo em relação ao mercado internacional.

Entre as principais metas para alcançar o pleno funcionamento da entidade, a modernização da estrutura, dos processos e do modelo regulatório, a repactuação com a rede e um projeto de retomada econômica. “Dispomos de alta tecnologia com os 60 laboratórios de ponta que atendem a diversas áreas, como biotecnologia, nanotecnologia, metrologia científica. Esses locais, para se fazer ciência e desenvolver o conhecimento, pertencem a todos nós. Está à disposição do país”, disse Marcos.

Marcos Heleno está à frente da autarquia federal desde fevereiro deste ano. Durante o encontro organizado pela Fiesp, apresentou um planejamento estratégico e reforçou a urgência da modernização do modelo regulatório. Depois de breve e esclarecedora explanação, esteve disponível para conhecer as demandas dos líderes da cadeia produtiva.

Paulo Skaf encerrou o encontro valorizando a visão de futuro de Marcos Heleno e fez questão de manter aberto o canal de comunicação entre os líderes dos principais segmentos da indústria do país com o presidente do Inmetro. “Somos a casa da produção, do emprego, da educação. Damos atenção máxima à economia, mas as pessoas são a nossa prioridade. Não perdemos esse foco em nenhum momento”, finalizou o presidente da Fiesp e do Ciesp.