Inicio do conteudo

Pandemia acelera o e-commerce e a transformação digital no mundo das MPIs

Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria – COMPI debate sobre as tendências geradas pela crise na rotina das micro e pequenas indústrias

Tássia de Almeida, Agência Indusnet Fiesp

As transformações enfrentadas pelas MPIs, os comportamentos de destaque durante a pandemia e as tendências para o “novo normal” no pós-pandemia foram destaque em encontro do Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria (Compi) da Fiesp, realizada na tarde da última quarta-feira (26/8). Comandada pelo presidente do Compi, Milton Antonio Bogus, a reunião teve início com a apresentação do presidente do Sebrae-SP, Tirso de Salles Meirelles, que explorou temas como empreendedorismo, capacitação e digitalização.

De acordo com Tirso, nos últimos meses, o Sebraetec atendeu 1.732 empresas. O projeto do Sebrae oferece soluções para as empresas que desejam inovar nas áreas de design, produção e qualidade, desenvolvimento tecnológico e sustentabilidade. As cinco soluções mais solicitadas neste período da pandemia foram: planejamento para presença digital, planejamento para busca orgânica, implantação de e-commerce, desenvolvimento de produto e design thinking para melhoria de produtos e serviços.

Um dos cases citados por Meirelles foi a plataforma Pertinho de casa, iniciativa sem fins lucrativos, liderada pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) e apoiada por diversas empresas que se uniram durante a pandemia para aproximar empreendedores de micro e pequenos negócios de todos os ramos de consumidores próximos a suas regiões de atuação.

Entre as tendências para a pequena indústria, o presidente do Sebrae-SP destacou: processos ágeis e digitais, sustentabilidade, de B2B para B2C, marketplace em cidades vocacionadas, crescimento de parques tecnológicos, incubadoras, aceleradoras de startups e pequenas agroindústrias.

Comandando o painel sobre Comunicação e Marketing Digital, o CEO da Decode, Renato Dolci, destacou o Whatsapp como uma das principais ferramentas para transformação digital nos pequenos empreendimentos. Ele lembrou que 87% das pessoas usam o aplicativo que se destaca por ser extremamente democrático. Ainda de acordo com ele, o CRM tradicional tem perdido espaço para o Omnichannel, com as empresas mais presentes da vida do cliente, maior interação e foco no horário do cliente e não no comercial. Segundo ele, os pequenos empreendedores, por exemplo, costumam fazer transações bancárias fora do horário comercial, após as 22h30.

O GPS também foi citado por Dolci como ferramenta merecedora de atenção. Ele ainda destacou algumas tendências do ‘novo normal’ como os cursos on-line, e-commerce de farmácia, contactless payment, aplicativos de atividade física, web meeting, logística e entretenimento versus educação e health. Dolce lembrou que esse cenário fez com que as áreas de entretenimento, saúde, alimentação, home office, cuidados com a casa, educação e beleza figurassem na lista de produtos e serviços em alta na pandemia. Já na lista dos produtos e serviços em baixa estão os setores automotivo, imobiliário, turismo, investimentos e mercado de seguros. No setor gastronômico, relatório da Decode apontou crescimento do delivery, com as pizzarias conquistando crescimento de 716%  e a gastronomia mexicana registrando queda de 75%.

Ainda na reunião, a economia e o mercado de trabalho, assim como o futuro do emprego, foram abordados pelo professor e membro do Conselho Superior de Relações do Trabalho (Cort), Hélio Zylberstajn, que destacou que os acordos celebrados e as políticas públicas estabelecidas foram fundamentais para a preservação de milhões de empregos.

Bob Costa, presidente da Nova/SB, finalizou o encontro com apresentação sobre como repensar a comunicação do universo das MPIs.