Inicio do conteudo

Gota d’água foi a indiferença com o desemprego, diz Skaf sobre Levy

Após jantar com o vice-presidente Michel Temer e com empresários, presidente da Fiesp e do Ciesp critica condução da política econômica

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

Depois de se reunir nesta quinta-feira (27) em jantar com o vice-presidente Michel Temer e empresários, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, disse que o voto de confiança dado ao ministro da Fazenda, acabou na semana anterior, quando Joaquim Levy defendeu o aumento de impostos sobre a folha de pagamento. Skaf considerou grave o ministro demonstrar indiferença em relação ao desemprego. “Foi a gota d’água. Tivemos 500 mil postos de trabalho fechados no primeiro semestre, e a previsão de fechar mais 1 milhão no segundo semestre.”

Skaf classificou como absurda a proposta, anunciada pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro, de reativar a CPMF, sob o nome de Contribuição Interfederativa para a Saúde, com alíquota de 0,38%. Lembrou que os governos já arrecadam perto de R$ 2 trilhões por ano com impostos, devolvendo serviços públicos de péssima qualidade . “Não tem o mínimo sentido criar uma contribuição para a saúde. Depois vão querer criar uma contribuição para a educação, para a segurança…”

“Nós vamos bombardear no Congresso esta iniciativa do Governo ou qualquer outra que esteja ligada ao aumento de impostos”, afirmou. Skaf lembrou da pressão da sociedade em 2007, quando o Governo estava forte, mas houve reação nacional  para derrubar a CPMF.

Miragem

Skaf comparou a uma miragem o ajuste fiscal anunciado pelo Governo. “Medidas que esfriam a economia e aumentam o desemprego fazem cair fortemente a arrecadação. Em vez de reduzir despesas e aquecer a economia, para produzir mais e gerar mais arrecadação, faz o contrário, aumenta juros, acaba com o crédito e eleva os impostos. Isso esfria mais a economia, e a receita cai de novo. E nunca conclui o ajuste fiscal.” Skaf lembrou que

“Não vi até agora o ministro da Fazenda fazer nada efetivo em relação à redução de despesas.  O gasto com juros subiu 50% este ano, os gastos de custeio subiram”. Skaf disse que Levy escolheu o “caminho mais cômodo, de aumento de impostos”, mas não dará certo, afirmou, porque “a sociedade reagirá fortemente”.

Os setores produtivos não concordam com esta política econômica, de juros altos, sem crédito, com impostos crescentes, afirmou Skaf. “Ela não atende aos interesses do Brasil”, disse, lembrando que a carga tributária do país é alta e recai sobre todos.

Skaf considera que o mau desempenho da economia está minando ainda mais a credibilidade do Governo. “A crise econômica é quase um efeito. A causa principal é a crise política, que leva à falta de credibilidade e à insegurança.” O remédio, disse, é recuperar a economia, fortalecendo-a com menos impostos e com crédito.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1606983227

Jantar de empresários com Paulo Skaf e o vice-presidente Michel Temer. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

O jantar

Participaram do evento:

Antonio Delfim Netto, Presidente do COSEC

Benjamin Steinbruch, 1º Vice-Presidente da FIESP

Carlos Alberto de Oliveira Andrade, Presidente da CAOA

Fábio Colletti Barbosa, Conselheiro do Banco Itaú e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Flavio Rocha, Presidente das Lojas Riachuelo S.A e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Henrique Meirelles, Presidente do Conselho da J & F e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Gustavo Diniz Junqueira, Presidente da Sociedade Rural Brasileira

Jorge Gerdau Johannpeter, Conselheiro do Conselho Superior da FIESP

José Antônio Fernandes Martins, Vice-Presidente da FIESP e Presidente do SIMEFRE e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

José Ricardo Roriz Coelho, Vice-Presidente e Diretor Titular do DECOMTEC

José Yunes, advogado e Conselheiro do CONJUR da FIESP             

Josué Christiano Gomes da Silva, 3º Vice-presidente da FIESP

Luiz Carlos Trabuco, Vice-presidente do Conselho de Administração do Bradesco

Luiz Moan Yabiku Junior, Presidente da ANFAVEA -Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Marcos da Costa, Presidente OAB-SP, Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

MICHEL TEMER, Vice-Presidente da República Federativa do Brasil

Murilo Portugal Filho, Presidente da FEBRABAN

Nelson Jobim, Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

PAULO SKAF, Presidente da FIESP e do CIESP

Rafael Cervone Netto, 1º Vice-Presidente do CIESP

Rodrigo Loures Filho, Assessor Especial da Secretaria de Relações Institucionais da Vice-Presidência da República

Rubens Ometto Silveira Mello, Presidente do Conselho de Adm da Cosan S/A Ind e Com e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Thierry Fournier, Delegado Geral da Saint Gobain no Brasil, Argentina e Chile e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP

Waldemar Verdi Júnior, Presidente das Empresas Rodobens e Conselheiro do Conselho Superior Estratégico da FIESP