Inicio do conteudo

Fiesp: nova alta de juros e aumento de IOF penalizam pessoas e empresas

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) aumentou nesta quarta-feira (22/9) a taxa básica de juros, a Selic, em 1,0 p.p, para o patamar de 6,25% a.a. Esta nova alta, juntamente com o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), penaliza as pessoas e as empresas num momento de frágil recuperação dos impactos econômicos da pandemia. 

O percentual da renda das famílias comprometido com dívidas é recorde. Saltou de 49,4% em junho de 2020 para 59,2% em maio de 2021 (último dado disponível). O aperto monetário agrava esse quadro de endividamento, reduzindo o consumo das famílias e prejudicando a atividade econômica. 

Para as empresas, além de aumentar o custo do crédito, vai tirar competitividade e dificultar a retomada do investimento.  

Aumentar a Selic e o IOF na atual conjuntura prejudica a necessária retomada econômica sustentada com a geração de empregos e de renda de que o Brasil tanto precisa. 

Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Ciesp