Fapesp busca empresas parceiras para criar Centro de Pesquisa em Engenharia na área de Manufatura Avançada

A FAPESP receberá propostas de empresas ou consórcio de empresas interessadas em celebrar acordos de cooperação para constituição do Centro até o dia 8 de agosto de 2017

A FAPESP busca empresas – ou consórcios de empresas – para, juntos, criarem um Centro de Pesquisa em Engenharia na área de Manufatura Avançada, a ser sediado em universidades e/ou instituto de pesquisa de São Paulo.

O Centro terá como objetivo desenvolver tecnologias que viabilizam não só a otimização de plantas fabris como também a extensão de aplicações integradas em toda a cadeia de valor e ciclo de vida do produto, em uma área fundamental para a competitividade da indústria.

As atividades do Centro serão financiadas com recursos da FAPESP, da empresa ou consórcio de empresas e das universidades e institutos participantes. A empresa parceira participará da gestão do Centro de Pesquisa em Engenharia e, junto com a FAPESP, avaliará periodicamente as suas atividades de pesquisa e desenvolvimento.

A FAPESP está recebendo propostas de empresas ou consórcio de empresas interessadas em participar da criação do Centro até o dia 8 de agosto de 2017.

O parceiro selecionado firmará um Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica com a FAPESP, qualificando-se para lançar, junto com a Fundação, chamada pública para seleção das instituições interessadas em integrar o Centro de Pesquisa em Engenharia em Manufatura Avançada.

Áreas prioritárias de pesquisa do futuro Centro de Pesquisa em Engenharia em Manufatura Avançada

1. Manufatura Aditiva (impressão 3D, manufatura híbrida, etc.);

2. Sistemas ciber-físicos (tecnologias de informação e comunicação, sistemas mecatrônicos para monitorar processos industriais em toda a cadeia de valor);

3. Redes de Comunicações e segurança cibernética (tecnologias de comunicação entre equipamentos, produtos, sistemas e pessoas);

4. Sensores e Rastreadores: dispositivos de sensoriamento e rastreabilidade (a exemplo de IoT, RFID e nanosensores);

5. Virtualização, Modelagem e Simulação (tecnologias que permitem a virtualização da concepção de produtos e processos e sua otimização);

6. Digitalização (hardware e software para levantamento de dados na cadeia produtiva e sua posterior utilização em processos industriais e empresariais);

7. Tecnologias de apoio (para apoiar os processos, operações, pessoas e equipamentos, incluindo a realidade aumentada, nanotecnologia e wearables);

8. Inteligência Artificial, Computação ubíqua, Analytics e Big Data (tecnologias que permitem a automação considerável de processos, incluindo robôs e algoritmos avançados para controlar e processar informações);

9. Novos Materiais e Materiais inteligentes (incluindo compósitos, ligas leves, biomateriais, nano materiais e materiais para dispositivos portáteis);

10. Fotônica: ótica avançada, lasers, displays, optoeletrônica e eletrônica flexível.

Clique aqui para mais informações

Texto: Gerência de Comunicação da FAPESP