Inicio do conteudo

Em reunião na Fiesp, Fábio Faria afirma que o 5G integrará diversos setores da economia

Ministro da Comunicações, que participou da reunião de Conselhos da Fiesp nesta sexta-feira (10), ressaltou que a nova tecnologia irá propiciar mais sustentabilidade e eficiência energética ao país

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que a tecnologia 5G fará com que o Brasil dê um salto de qualidade em vários setores da economia, especialmente no agronegócio, que será positivamente impactado e beneficiará toda a cadeia produtiva. A afirmação foi dada nesta sexta-feira (10/9), durante a reunião conjunta dos Conselhos Superiores de Infraestrutura (Coinfra) e do Agronegócio (Cosag), da Fiesp, realizada por videoconferência.

Ao falar sobre as expectativas em relação ao leilão do 5G, previsto para outubro, o ministro destacou as vantagens da adoção da nova tecnologia e o caráter não arrecadatório em torno das negociações. “Obviamente ele trará receitas, mas seu maior benefício será a melhora da conectividade, economia para os negócios existentes e possibilidade de criar novos negócios, além de propiciar mais sustentabilidade e eficiência energética”, ressaltou.

Segundo o ministro, o 5G beneficiará e integrará todos os segmentos da economia, incluindo as indústrias. “Haverá convergência de informações, mais conectividade, criação de novas ocupações de trabalho e muitas oportunidades. Isso demandará mais capacitação de pessoas e investimentos, que certamente chegarão no primeiro dia após a realização do leilão”, disse.

Agronegócio – A conectividade no campo é tão importante hoje como a energia elétrica foi para o campo na década de 1970, segundo o diretor de Inovação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Cléber Oliveira Soares, que também participou da reunião conjunta, dirigida pelos presidentes do Cosag, Jacyr Costa, e do Coinfra, Marcos Lutz.

Para o diretor, a transformação digital no campo exige um mapeamento e avanço em infraestrutura. “No agronegócio brasileiro apenas 23% do espaço agrícola tem conectividade. Nosso desafio é elevar esse nível e dobrar a conectividade em até dois anos, em primeira fase, e algo entre 80 e 90% em quatro anos, o que demandaria a instalação de aproximadamente 20 mil antenas”, afirmou Soares, que prevê impacto de R$ 150 bilhões na economia.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1632515041

Farias prevê leilão do 5G para outubro. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp