Inicio do conteudo

Fórum Sou Capaz: Curso debate as boas práticas e propõe a inclusão com qualidade

Programa realizado em Jundiaí também será levado a outras regionais do Ciesp

O Ciesp Jundiaí promove hoje e amanhã (15 e 16/4), o curso “Inclusão de Pessoas com Deficiência e Aprendizes no Mercado de Trabalho – Diretrizes Legais, Melhores Práticas e Cases de Inclusão”. O evento faz parte do Fórum “Sou Capaz” – programa desenvolvido pela Federação e Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp/Ciesp) – apresentado em Jundiaí, dia 3 de abril,

Quase 50 profissionais das áreas de recursos humanos, saúde e segurança do trabalho participam do curso, que será ministrado também em outras regionais do Ciesp.

De acordo com Cristiane Gouveia, do Departamento de Ação Regional (Depar) da Fiesp, o curso pretende oferecer ao empresário todas as ferramentas necessárias para estruturar e implantar um programa de promoção da inclusão e a gestão de ambientes inclusivos em sua empresa, englobando desde o conhecimento de normas regulatórias até as melhores práticas e cases de mercado. “A Fiesp criou este programa com o intuito de trabalhar a inclusão no mercado de trabalho de maneira eficiente e eficaz”, comentou, durante a apresentação do Fórum.

O curso está sendo ministrado pelo psicólogo e consultor na área de inclusão, Marcelo Vitoriano. “Vamos debater ao longo destes dois dias as boas práticas das empresas, o que já vem sendo feito e está dando certo, mas também vamos expor e ouvir as dificuldades das empresas e apresentar de que forma as indústrias podem se adequar para, além de cumprir a cota, também oferecer qualidade de vida para aquele profissional que ela está contratando”, explicou.

De acordo com Vitoriano, hoje, as pessoas com deficiência recebem um Benefício de Prestação Continuada (BPC), que equivale a um salário-mínimo para idosos e pessoas com deficiência que não possam se manter e não possam ser mantidos por suas famílias. “A Fiesp está oferecendo às pessoas a orientação. O objetivo deste programa é esclarecer como as empresas podem criar um ambiente saudável à contratação de pessoas com deficiência”, explicou o professor. “A empresa precisa trabalhar seus colaboradores para que eles recebam bem a pessoa com deficiência ou o aprendiz, para que estes profissionais se sintam participantes do dia a dia da empresa, se sintam incluídos”, completou.

O psicólogo explicou ainda que qualquer profissional que se sinta bem em seu ambiente de trabalho vai produzir e trazer resultados. “Importante que, no caso da pessoa com deficiência, o aspecto psicológico tem que ser levado em consideração. Com esses cuidados, a empresa vai admitir e conseguir manter o seu profissional”, destacou, lembrando casos de empresas em que o clima organizacional melhorou. “O profissional com deficiência é produtivo sim e se bem acolhido pode até promover uma melhora no clima da empresa”.

Para Vitoriano, o gestor moderno tem que estar atento à diversidade em todos os aspectos, caso contrário, corre o risco de ficar de fora do mercado. “Esta questão extrapola a área de recursos humanos e vai além, podendo comprometer, inclusive, a forma como a empresa é vista pelo mercado e pelos seus consumidores e clientes”, alertou.

O curso prossegue até amanhã, totalizando 16 horas de capacitação. O diretor titular do CIESP Jundiaí, Mauritius Reisky, comentou sobre a iniciativa da entidade. “Esperamos que o curso contribua para difundir informações e orientar ações voltadas à inclusão, desta forma, estaremos construindo uma sociedade mais justa, igualitária e solidária”, frisou.

Cíntia Souza, Agência Ciesp de Notícias
Assessoria de Comunicação – CIESP Jundiaí