Cai nível de atividade na construção, mas perspectivas melhoram

Sondagem da Construção do Estado de São Paulo mostra aumento da Utilização da Capacidade de Operação em setembro

Agência Indusnet Fiesp

O nível de atividade do setor de construção de São Paulo voltou a apresentar queda na passagem mensal –de agosto para setembro- após um mês de avanço. O indicador passou, nesta leitura, de 45,0 para 42,8 pontos, abaixo da linha de estabilidade (50,0 pontos), permanecendo em contração.

No que se refere à mensuração da Atividade em Relação ao Usual, o indicador cresceu de 30,1 para 32,2 pontos, ainda com sinalização de forte contração.

Os dados são da Sondagem da Construção do Estado de São Paulo, levantamento feito pela CNI e pela Fiesp, com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção e do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira (27 de outubro).

O índice de Número de Empregados, após ter alcançado o maior patamar desde junho de 2014, com expressiva expansão no mês anterior (de 36,1 para 43,5 pontos), recuou neste mês para o patamar de 40,2 pontos.

A Utilização da Capacidade de Operação (UCO), por sua vez, cresceu para 56,0%, ante 53,0% de agosto, atingindo assim a maior porcentagem desde outubro de 2016.

No sentido oposto, as expectativas apresentaram um aumento generalizado de pontuação entre seus indicadores. A perspectiva para o Nível de Atividade subiu de 47,8 pontos em agosto para 51,7 em setembro, enquanto o indicador Compras de insumos e Matérias-Primas foi de 46,9 para 48,3 pontos na passagem mensal. Também em Novos Empreendimentos e Serviços o desempenho foi positivo e subiu de 45,4 pontos registrados em agosto para 53,1 pontos nesta leitura.

Por fim, a variável de expectativas para o Investimento para os próximos seis vezes teve forte aumento de pontuação na passagem mensal, passando de 23,7 para 26,3 pontos, mas continua ainda a sinalizar forte contração.