Inicio do conteudo

Atividade industrial de São Paulo cai 0,6% em outubro

Pesquisa da Fiesp e do Ciesp aponta queda de 5,6% nos primeiros 10 meses do ano

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp,

A atividade da indústria paulista recuou 0,6% na passagem de setembro para outubro, segundo leitura com ajuste sazonal do Indicador de Nível de Atividade (INA) da Fiesp do Ciesp. No acumulado de 12 meses, o índice apresentou queda de 5,7%, conforme a pesquisa, divulgada nesta terça-feira (1/12).

Segundo a equipe do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp e do Ciesp, responsável pelo INA, “a incerteza sobre a trajetória das contas públicas, entre outros, contribui para manter a confiança do empresariado industrial em níveis historicamente deprimidos, minando dessa forma a retomada da atividade do setor”.

De janeiro a outubro deste ano, o desempenho da indústria paulista piorou 5,6% na comparação com igual período do ano anterior.

O Depecon estima uma queda de 5,8% do INA em 2015, após recuo de 6% em 2014.

“Sempre há espaço para piorar. Portanto vamos entrar no ano de 2016 melancolicamente, e 2015 não vai deixar saudades”, afirmou Paulo Francini, diretor do Depecon.

Vendas

A variável Total de Vendas caiu 2,3% em outubro contra setembro, sendo a principal influência negativa para o resultado do INA na comparação mensal.  As Horas Trabalhadas na Produção também foram destaque negativo no mês, com recuo de 0,8%.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) apresentou taxa de 75,6% em outubro, contra 75,5% em setembro, com ajuste sazonal.

Setores

O setor de alimentos se destacou no levantamento do mês passado ao apresentar alta de 2,8% na comparação com setembro, motivado pelo aumento no Total de Vendas Reais, que apresentou alta de 4,6% no mês.

Já a atividade da indústria de máquinas e equipamentos caiu 1,2% no mês, influenciada principalmente pelas variáveis Horas Trabalhadas na Produção e Total de Vendas Reais, que recuaram 2% e 1,1%, respectivamente.

O segmento de veículos automotores também apresentou queda em outubro. O setor caiu 1,2%, pressionado pela forte queda de 11,9% nas Vendas Reais e pela retração de 1,3% nas Horas Trabalhadas na Produção.

Percepção

O pessimismo quanto à percepção do setor produtivo em relação à atividade industrial se manteve em novembro. O indicador recuou 2 pontos, para 43,5 pontos no mês, ante 45,5 pontos em outubro, com ajuste sazonal.

A variável Mercado, que compõe o índice, subiu este mês para 45,6 pontos, versus 43,2 pontos em outubro.

Leituras em torno dos 50 pontos indicam percepção de estabilidade do cenário econômico. Abaixo dos 50,0 pontos, o Sensor sinaliza queda da atividade industrial para o mês; acima desse nível, expansão da atividade.

No caso da variável Estoque, leituras superiores a 50,0 pontos indicam estoque abaixo do desejável, ao passo que inferiores a 50,0 pontos indicam sobrestoque.

O item Estoque ficou em 42,7 pontos no mês corrente, contra 44,6 pontos em outubro. E a percepção quanto ao Emprego piorou 7,2 pontos, indo para 40,1 pontos em novembro, versus 47,3 pontos no mês anterior, a pior taxa da série histórica da pesquisa.

A variável Investimento também caiu – para 42,8 pontos este mês, contra 45,5 pontos no mês passado, descontada a sazonalidade.

>> Ouça boletim sobre o INA