CIESP de Bragança é pioneiro na adoção de Tecnologias Sustentáveis

Não há dúvidas quanto à importância da preservação da natureza e do meio ambiente, para nossa sobrevivência neste planeta!

Pelo menos é o que nos mostra a natureza, com o clima, a falta de água e os graves problemas causados pelas mudanças climáticas nestes últimos meses.

Produtos recicláveis, políticas de resíduos, racionalização de energia e de outros insumos são conhecimentos difundidos nestes últimos anos, mas a verdade é que poucos são adotados e a grande maioria permanece desconhecida da população.

No entanto as mudanças na natureza adicionada à falta de infraestrutura e de planejamento em nosso país são uma realidade e desafios presentes.

Contrastando com tai realidade, o CIESP – Centro das Indústrias do Estado de São Paulo, regional de Bragança Paulista, através de sua diretoria, resolveu tomar como ação a instalação de equipamentos que trouxessem novas tecnologias e comprovar seus benefícios, tanto para a entidade, quanto na difusão destes conceitos na promoção de atitudes sustentáveis do empresariado e da população.

Iniciando em 2012 com a instalação paulatina de luminárias a LED, a diretoria proporcionou uma redução de 60% no consumo elétrico da regional.

Tal economia proporcionou os recursos que foram aplicados na iluminação externa e de emergência, todas a LED e alimentados à energia solar.

Em meados de setembro de 2014, quando o CIESP/FIESP alertava a todos para uma crise no abastecimento d’água, a DR de Bragança adquiriu um bebedouro que “fabrica” a água potável consumida na DR, através do condensado do ar.

Neste ultimo mês, efetuamos a primeira instalação de um gerador solar fotovoltaico para alimentar a iluminação externa.

O pioneirismo também foi pelo SENAI- Bragança, pois a instalação efetuada foi realizada pelos alunos do primeiro curso de Instaladores de Sistemas Fotovoltaicos inaugurado em novembro de 2014.

O sistema em referencia é composto por painéis solares, baterias e controlador de carga/descarga. Todos os componentes são produzidos por indústrias paulistas, exceto os próprios painéis solares, fabricados na Itália.

 

O sistema tem a capacidade de gerar 50 kWh x mês, suficiente para o consumo noturno dos refletores e luminárias externas do edifício, propiciando segurança a um custo zero.

O funcionamento automático, liga ao escurecer e desliga de dia. A operação é continua, todas as noites, com uma reserva de energia que permite uma autonomia de funcionamento até 48 horas (quatro noites), mesmo que não tenha Sol para a recarga.

Essa iluminação também não sofre “apagões” mesmo quando há tempestades.

Outra característica importante é que o sistema é modular e expansível, podendo ser aumentado a qualquer momento e gradativamente, até atender a necessidade de 100% da energia elétrica consumida pela DR.

Com um mínimo de investimento inicial, a aplicação da economia proporcionou as vantagens que agora se amplia com a presente crise de demanda. Isso comprova que a escolha de soluções tecnológicas, somadas a um bom planejamento, na hora devida apresenta economia, segurança, e ganhos com o retorno do investido.

O CIESP de Bragança concretiza seu desejo de ser pioneira e ter em uso sistemas e tecnologias consideradas como o estado da arte, acreditando que além do exposto é prova da viabilidade na adoção destas técnicas.

O espírito empreendedor do industrial deve ter tal consciência, gerando novas oportunidades, uma nova economia, mais ampla e gratificante, proporcionando condições mais dignas para o homem e servindo de fator para o progresso da sociedade humana como um todo. Fazer parte deste processo é um dos mais altos valores que justificam a nossa existência.  É um pequeno exemplo daquilo que garantirá às gerações futuras uma melhor condição de vida.

Rolf Marcos Sitta.

Bragança Paulista, 21/01/2015.