Cidade Sede

Bauru: um centro estratégico para investimentos no Estado

Bauru é um município localizado a noroeste da capital do estado de São Paulo, distando desta cerca de 326 km. Ocupa uma área de 673,488 km², sendo que 68,9769 km² estão em perímetro urbano e os 604,51 km² restantes constituem a zona rural. Em 2011 sua população foi estimada pelo IBGE em 346.076 habitantes, sendo que em 2010 era o 18º mais populoso de São Paulo. Tem uma temperatura média anual de 22,6°C e na vegetação original do município predomina a mata atlântica – cerrado.

No coração do Estado

Bauru assume papel relevante no contexto econômico do centro-oeste paulista. O município apresenta PIB da ordem de R$4,7 bilhões e uma renda média per capita acima de três salários mínimos.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M), que mede a qualidade de vida da população, supera a média dos municípios paulistas e atinge 0,824.

Uma região potencializada geograficamente, onde a estrutura logística facilita o escoamento de suas produções, abrindo possibilidades de investimentos em virtude da macro conexão rodo, hidro, férreo e aeroviária – consolidada através do entroncamento ferroviário, Hidrovia Tietê/Paraná, Aeroporto Moussa Tobias, EADI (Estação Aduaneira do Interior) e seis rodovias estaduais de acesso – que transforma Bauru e Região numa integração progressista.

História

A história da cidade não pode deixar de estar vinculada à Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Mas Bauru já existia antes da passagem dos trilhos por aqui.

No século XIX, a expressão “sertão bruto” era usada com referência à região que a cidade ocupa hoje. A conquista do Oeste do país tem histórias parecidas. Bauru foi mais um lugar onde desbravadores brancos – os bandeirantes – lutavam com índios pela posse do território. A terra era ocupada pelos indígenas Kaiagang, que emprestaram um vocábulo de sua língua para dar nome à cidade. Na língua deles, Bauru quer dizer “cesto de frutas”.

Os primeiros desbravadores que vieram para a região foram Felicíssimo Antonio Pereira e Antonio Teixeira do Espírito Santo. No documento de legalização das terras de Felicíssimo, o nome de Bauru apareceu, oficialmente, pela primeira vez. Em 1884, quase trinta anos após sua chegada, Antonio Teixeira do Espírito Santo decidiu doar uma parte das terras de sua Fazenda das Flores para a formação do patrimônio de São Sebastião do Bauru. No dia 1º de agosto de 1896, Bauru foi elevada à condição de vila.

Quase dez anos depois, em 1905, a cidade recebeu sua primeira ferrovia: a Estrada de Ferro Sorocabana, que ligava Bauru a São Paulo. Foi o início do crescimento populacional na região. Além da chegada dos operários, que trabalharam na construção das linhas, o comércio local teve ganhos e houve incentivo à migração.

Em 1906, a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil (NOB) inaugurou o seu primeiro trecho em Bauru (Bauru – Avaí), no prolongamento da Sorocabana. O traçado inicial da NOB ia até Cuiabá, no Mato Grosso. Em 1908, o destino da linha foi alterado para Corumbá, no Mato Grosso do Sul, rumo às fronteiras boliviana e paraguaia. O novo caminho é herança das bandeiras que rumavam para o Oeste, com a intenção de conquistar territórios desconhecidos. A inauguração da estação final em Corumbá aconteceu 15 de dezembro de 1952. Sua extensão é de 1.600 quilômetros e interliga-se com todos os sistemas ferroviários de norte a sul do país.

Em 1910, com a chegada da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, Bauru passou a abrigar um dos maiores entroncamentos ferroviários do interior do continente. Já em 1939, com a conclusão da nova e enorme estação da Noroeste, que englobava também os escritórios da empresa, todos os embarques e desembarques das três ferrovias foram centralizados nessa estação.

Durante a primeira metade do século XX, Bauru torna-se o principal polo econômico da vasta região compreendida pelo Oeste Paulista, Norte do Paraná e Mato Grosso do Sul.

Dado o crescimento populacional da cidade àquela época, houve a necessidade de investimentos em infraestrutura, principalmente porque o setor industrial viria a se desenvolver no decorrer das décadas de 1940 e 50. Tais aspectos acentuaram a importância da imigração estrangeira na composição étnica e demográfica atual de Bauru.

Área de abrangência do Ciesp Bauru:

_Agudos

_Arealva

_Avaí

_Balbinos

_Bauru (cidade sede)

_Boraceia

_Borebi

_Cabrália Paulista

_Cafelândia

_Duartina

_Espírito Santo do Turvo

_Guaiçara

_Guarantã

_Iacanga

_Lins

_Macatuba

_Paulistânia

_Pederneiras

_Pirajuí

_Piratininga

_Pongaí

_Presidente Alves

_Reginópolis

_Sabino

_Uru